quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

[Manuel Bandeira]

------
---
Madrigal Melancólico
---
O que eu adoro em ti,
Não é a tua beleza.
A beleza, é em nós que ela existe.

A beleza é um conceito.
E a beleza é triste.
Não é triste em si,
Mas pelo que há nela de fragilidade e de incerteza.

O que eu adoro em ti,
Não é a tua inteligência.
Não é o teu espírito sutil,
Tão ágil, tão luminoso,
- Ave solta no céu matinal da montanha.
Nem a tua ciência
Do coração dos homens e das coisas.

O que eu adoro em ti,
Não é a tua graça musical,
Sucessiva e renovada a cada momento,
Graça aérea como o teu próprio pensamento,
Graça que perturba e que satisfaz.

O que eu adoro em ti,
Não é a mãe que já perdi.
Não é a irmã que já perdi.
E meu pai.

O que eu adoro em tua natureza,
Não é o profundo instinto maternal
Em teu flanco aberto como uma ferida.
Nem a tua pureza. Nem a tua impureza.
O que eu adoro em ti - lastima-me e consola-me!
O que eu adoro em ti, é a vida.
(1920)

8 comentários:

nike shoes disse...

can u leave ur phone number to me???

Lutto T. Nebroso disse...

I never talk to strangers.

Laninha disse...

Hahahahahahahahaha

João disse...

Tá rindo, é? Não sou fácil não. Acho que invadiram esse lugar com mensagens instantâneas, na verdade. Mas não perco a viagem, digo, a piada.

宜宾斗地主 disse...

I will pass on your article introduced to my other friends, because really good!

Laninha disse...

Fudeu! Tu foi invadido mesmo, mermão... rs

splendid disse...

vuitton handbags
louis vuitton
hermes
hermes kelly bag
hermes bags

www.jsfishnet.com disse...

I think I come to the right place, because for a long time do not see such a good thing the!
Farming Net